Projeto Imirim em Cena

O projeto “Imirim em Cena”: Cinema & Fotografia foi desenvolvido ao longo de dois meses e envolveu pesquisas, oficinas de audiovisual e linguagens cine-fotográficas e a produção cultural voltada ao conhecimento acadêmico sobre o bairro do Imirim. Tendo como objetivo o despertar do olhar sensível do educando, o projeto envolveu 44 alunos de séries distintas (6º, 7º e 8º anos) que decidiram, no decorrer das reuniões, o desenvolvimento das produções conceituais Imirim em Cena, compostas por uma Exposição Fotográfica, um curta documentário (27 minutos) e um web site.

A ideia dos alunos consistiu em construir um projeto de pesquisa e produção acadêmica em que os produtos culturais desenvolvidos pudessem estabelecer diálogos entre si, resultado que evidenciou o protagonismo do educando na escolha das temáticas, os formatos de produção cultural e técnica e a maneira como o projeto seria apresentado ao público.

No dia da Feira Cultural, os alunos puderam compartilhar suas experiências na Sala Temática “Imirim em Cena”, momento oportuno para publicização desse instigante projeto.

Confira nosso trabalho no site: sites.google.com/piaget.g12.br/imirimemcena

Projeto (RE)construir: a arquitetura no projetar, edificar e romper

O espaço expositivo teve por objetivo expandir a noção tradicional da Arquitetura, projeto e espaço edificado. Enquanto ressignifica também suas percepções históricas, sociais e culturais acerca do edificado.

Na proposta objetiva desenvolvida com os educandos foi explorado o uso dos diferentes espaços referenciais, desde as monumentais obras brasileiras até o nosso Colégio Piaget, como um produto da intenção humana. Em outras palavras, quais discursos e estilos artísticos são encontrados na Arquitetura brasileira presentes nos espaços mencionados?

Com isso, fez-se necessário pesquisas sobre edifícios que se inserem enquanto “(re)construção”, bem como investigar os sujeitos históricos envolvidos nesses respectivos espaços.

Nosso trabalho esteve em um circuito de intervenções urbanas:

– Painel maker e imersão: opções para os visitantes ativos, que interferem e constroem;

– Poesia, arte em movimento e relatos de viajantes: aos visitantes mais contemplativos e de ampla percepção sobre a paisagem;

– Investigação e arquitetura: espaços dedicados aos visitantes mais analíticos e reflexivos que eram convidados a debater sobre uma situação-problema, estratégia de ação reconstrutiva ou mesmo sobre os contextos de mudança e permanência nos espaços edificados.

Não nos poderia faltar a sensibilidade humana presente nos gestos dos mímicos, interagindo em todos estes e outros espaços!